Missões: Deve ser um planejamento pessoal e da igreja

Boa tarde meus amigos!

Certa vez conversava com um missionario, que relatava algumas dificuldades do campo, e enquanto conversavamos ele fez a seguinte afirmação: " Pastor vive de dízimo, missionario vive de oferta. Dízimo é mandamento, oferta é caridade, é amor, e nem todos se sentem "obrigados a fazer".

Quando ele afirmou isto achei muito forte, mas tive que dá-lo razão. As pessoas creem no poder do dízimo baseado em Malaquias 3:10 (Tragam o dízimo todo ao depósito do templo, para que haja alimento em minha casa. Ponham-me à prova", diz o Senhor dos Exércitos, "e vejam se não vou abrir as comportas dos céus e derra­mar sobre vocês tantas bênçãos que nem terão onde guardá-las.), mas se esquecem do poder da oferta, tanto que o proprio Jesus relatou a oferta da viuva que deu tudo de si.
Poucas são as igrejas que tem um planejamento efetivo pra missões, uma verba destinada a isso, que possa dar total suporte aos missionarios que vão a campo, em decorrencia disso propiciamos aos viajantes de Deus um encaminhamento ao suicidio em nome do Senhor.
Exigimos que eles atendam ao chamado, e colocamos a responsabilidade em suas costas, pra pagarem o preço pelo seu chamado, sem cobertura espiritual, financeira, emocional, responsabilidade que é da igreja, e não falo somente instituição não, falo das pessoas que a compõem.
Buscar a Deus excede o banco da igreja, o chamado evangelistico é universal através do "Ide de Jesus"(Portanto, vão e façam discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo,ensinando-os a obedecer a tudo o que eu ordenei a vocês. E eu estarei sempre com vocês, até o fim dos tempos - Mt. 28:18-19.), e cada desempenha sua função missionaria ao manter fincanceiramente, ao orar, ao ouvir as tribulações de um missionario, ao não julgá-lo, ao entender que campo é dificil, é levar Jesus para pessoas que muitas vezes não ouviram falar seu nome, que alem de ter sede de Deus, tem uma cegueira espiritual, é desenvolver o dom de amar como Deus nos amou, enfim é muito mais do que qualquer Cruzada evangelistica que opera algumas curas, milagres e prodigios. Se nós como igreja não pudermos ter amor para ofertar ao trabalho missionario, fazemos da nossa fé morta, sem obras, pois Deus nos requerirá as vidas que deixamos de resgatar. 
Se os lideres das igrejas não tiverem o campo missionario ardente no coração e não priorizar, não tem sentido a existencia da igreja, pois na preparação do apostolos, Jesus os mandou ao campo, não os confinou nos templos nao. Se o trabalho missionário não estiver no planejamento estratégico da igreja é tirar o principal intuito do cristianismo que é levar comida aos famintos, remédios aos doentes.
Baseada no que estou dizendo encontrei uma serie de estatisticas no site Underfaith que nos colocam pra pensar sobre qual o nosso lugar no mundo, na igreja, e diante de Deus.

Leiam, pensem e lance para sua liderança a necessidade de priorizar o planejamento de resgate de almas no campo, de dar suporte a missionarios, assim vocês estarão contribuindo para o crescimento do Reino.

Deus abençoe vocês.

Beijos
Postar um comentário